O casamento é uma decisão tomada por duas pessoas que se amam e querem passar o resto de suas vidas juntas. Compartilhar tristezas, alegrias, sonhos, interesses e tudo o que o futuro reservar. Dependendo da idade e das circunstâncias das pessoas, cada um pode ter uma atitude diferente diante desta proposta.

O medo do fracasso, muitas vezes influencia ao tomar esta decisão, já que não se tem tanta certeza de que seja correto. Além disso, a sensação de perda da liberdade pode retardar a decisão de se casar e não fica atrás o fato de sentir que alguém tomará terreno para controlar a nossa vida.

Na época anterior, as mulheres cresciam e eram educadas para se tornarem esposas algum dia. Com o passar dos anos, isso mudou significativamente e as mulheres já não estão sentadas em casa à espera de um futuro marido, mas têm vidas independentes, dinâmicas, decididas e com a plena liberdade de estabelecer relações com base nos critérios que deseja para sua vida.

O casamento pode ser visto, em muitos casos, como uma tradição que reduz amplamente a liberdade de ação da mulher, razão pela qual muitas fogem o quanto for possível.

Se você está pensando em propor casamento a sua parceira ou ela propôs a você, mas você está com medo, essas recomendações podem te ajudar:

  • Se você tem um novo relacionamento, deixe que o tempo lhes permita se conhecerem e partilharem suas virtudes e seus defeitos. Isso permitirá que você se estabilize emocionalmente.
  • Uma coisa é você se sentir bem na companhia de alguém e outra bem diferente é querer essa companhia para se casar. Pense profundamente sobre este aspecto.
  • Não pense que tudo é assinar papéis. Os casais, para serem felizes, não necessitam documentar. As leis foram muito equilibradas nesse sentido e de certos direitos e deveres não dependem do casamento.
  • Você pode conviver com uma pessoa e ter os filhos que desejar sem casar. Se em algum momento você decidir fazê-lo, deve ser por bons motivos, mas que não mudem as suas responsabilidades nem as suas liberdades.
  • É verdade que as pessoas casadas sentem que têm um maior nível de compromisso. Se sentem mais seguras de seus parceiros e fazem mais planos em longo prazo. Quanto os que coabitam, sentem que a qualquer momento podem se separar, porque não existe nenhum documento o que facilita o processo.
  • Busque o apoio de um conselheiro matrimonial e esclareça todas as suas dúvidas. Desta forma, você vai tomar a melhor decisão.
  • O casamento não é para perder a sua liberdade de ação, é para compartilhar sua vida com alguém que te apoiará em algumas de suas decisões. Tudo depende do que você está disposto a dar e receber.
  • Se o seu parceiro sugere o casamento, não se sinta obrigado a aceitar. Tome o seu tempo e pense sobre seus sentimentos.

“Atirar-se na água”, uma expressão frequentemente usada para aquela condição de querer casar. Pois usando o mesmo exemplo, é melhor saber nadar, se saltamos. Psicologicamente, as mulheres sentem os compromissos com uma grande intensidade e tendem a agüentar certas situações porque estão “comprometidas”. A controvérsia sobre se deve ou não se casar, apenas pode ser solucionada por uma visão clara do futuro que queremos junto com a outra pessoa e do tipo de relacionamento que queremos construir.